quarta-feira, 7 de maio de 2008

Festival de Scarpans

Pretos, quase todos.
Saltos, do mesmo tamanho.
Alguns apontavam para cima, outros para baixo.
Chacoalhavam, todos.
Uns tocavam o chão, uns bicavam o ar.
Alguns trocavam de posição.
E muitos machucavam o calcanhar.
Olhavam para o lado
Comparavam-se.
Toc, toc, toc.
Vamos sair nas fotos?
Girinho para a esquerda
Girinho para a direita.
Vamos andar nas passarelas?
Chacoalhavam, chacoalhavam.
Deixa eu ver os seu?
Uma briga de galos.
Deixa eu ver o seu?
Bicudos!
Bicudos!
Uns brilhosos, outros foscos.
Uns novos, uns só parecendo.
Toc, toc, toc.
Quantos risos nervosos.
Se olhavam.
Não sabiam se eram eles próprios, ou se eram os que estavam ao lado.
Chacoalhavam, chacoalhavam.
Sabiam, de tudo, no fundo, sabiam.
Quando o couro sintético se enrugasse
Quando não houvesse mais graxa para maquiá-los.
Quando os calcanhares não mais os agüentassem.
Seriam despejados, na sarjeta
Perderiam os pares.
Seriam somente
Sapatos
Na sarjeta.
Sem saltos
Sem bicos
Sem caras
Sem bocas

Sem identidade.

Um comentário:

Juliana Hilal disse...

Adorei Du!
Muito bom.
Bjs