terça-feira, 29 de abril de 2008

Real

Sou a cada dia mais adepto da verdade. Não falo da verdade dos fatos, da verdade de discurso, nem sequer de pensamentos. Falo da verdade da alma.
Quando a alma está em contato com a verdade, e se permite sentir e buscar o que para si é o real, aqueles que presenciam este momento se embebedam de emoções e se contagiam por esta alma terceira, verdadeira.
E esta alma, por sua vez, não precisa mostrar nada a ninguém. Ela é, neste momento, o todo. Não precisa dizer nada, e nem fazer apologias ao que sente, ao bem que buscou e encontrou, ou tentar doutrinar o outro, dizendo querer o seu bem, dizendo querer que se sinta como ela se sente. A alma fiel a si é, per se, transmissível. E desta forma, pode ser triste, pode ser brega, pode ser fria, pode ser ridícula, pode ser o que quiser. Aqueles, que a estarão observando, se sentirão vivos.

Um comentário:

Candy Girl disse...

Oi amigo lindo,
Já estava com saudade de seus textos... A verdade, com ela tudo faz mais sentido, temos que nos agarrar a ela e não deixá-la escapar nunca!
Saudade enormeeee,
bjos e mais bjos